Books read

Leticia's books

To Kill a Mockingbird
The Catcher in the Rye
The Great Gatsby
Of Mice and Men
Animal Farm
One Hundred Years of Solitude
Lord of the Flies
Romeo and Juliet
Little Women
A Tale of Two Cities
Frankenstein
The Count of Monte Cristo
The Secret Life of Bees
The Memory Keeper's Daughter
The Joy Luck Club
The Da Vinci Code
The Kite Runner
The Shining
The Silence of the Lambs
The Bourne Identity


Leticia's favorite books »
Mostrando postagens com marcador andanças. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador andanças. Mostrar todas as postagens

domingo, 30 de abril de 2017

#andanças

Num único domingo turistando em São Paulo, teve Coral Paulistano no Mosteiro de São Bento (presentão de Domingo de Ramos), Arte no Brasil, uma das exposições da riquíssima Pinacoteca (e no domingo Pina família, a entrada era gratuita) e passeio no Parque da Luz, que eu não conhecia e achei lindo demais. Teve também o sanduíche de mortadela do Mortadela Brasil, no Mercado Municipal (acho mais leve do que o do Hocca Bar, embora deva ser pecado dizer que 300 gramas de mortadela sejam leves...). Que delícia... Recomendo fortemente que a gente seja tão turista na nossa cidade como somos em outras. Treina o olhar e diverte.









Também fomos, na Restaurant week, ao Clos de tapas, um restaurante lindíssimo na Vila Nova Conceição. Comi um ovo perfeito no creme de crustáceos na entrada, e só ele já valia a visita - que coisa mais linda :) nossa amiga pediu o nhoque de beterraba e não resistiu a tirar uma foto, porque era um dos pratos mais lindos que ela já tinha comido. Era mesmo. todos eles eram obras de arte visuais. O prato principal era bom, mas não mudou minha vida: um peixe com risoto muito bem executado. A sobremesa também, linda e fresca, com chocolates e sorbet de frutas vermelhas.

Esse é o Gajos, um português ali perto do shopping Ibirapuera. Não mudou minha vida, mas é simpático. O serviço estava bem demorado, infelizmente.


Buttina é sempre um vencedor na minha lista. Esse italiano na João Moura tem uma jabuticabeira linda incorporada ao salão ali em cima, e um spaghetini de cacau com mascarpone bem feliz.




quinta-feira, 6 de abril de 2017

6on6 - março 2017


Meu pai fez churros para o escritório todo, juntando 20 pessoas num domingo friozinho. Muito amor <3


Prue é tímida, mas tão fotogênica, né?



Minha poltrona de leitura foi destruída pelo demoniozinho, quer dizer, gatinho novo. E aí quando fomos comprar outra decidimos trocar tudo no escritório, que nunca foi mesmo usado como escritório. D. fez um desenho em escala 1:15, desculpa sociedade, para podermos planejar a compra de móveis. Achei tão talentoso...

Essa foi a mesa que escolhemos para a cozinha depois que a nossa desabou rs. É da Oppa Design, um site que amei muito.

Esse é o ravioli de gema com manteiga trufada, a entrada mais delícia do Modi Gastronomia, lembra dele? sensacional.


Fomos ao Rio para visitar uma cliente e na volta nosso consultor querido nos levou a essa livraria, na galeria da Av Rio Branco, a Livraria Leonardo da Vinci. Sensacional <3 e olha que ideia legal - eu conhecia a ideia dos Books without covers, mas não tinha visto em prática no Brasil. Vc basicamente embrulha livros com um parágrafo sobre eles e a pessoa compra sem saber o nome, o autor ou o tipo. Legal, né?


sexta-feira, 31 de março de 2017

2a. quinzena de março - aleticiale2017 + andanças, que a vida não tá fácil

Li:

Enclausurado, Ian McEwan - ganhei esse livro de aniversário de alguém muito querido, caso contrário não o teria lido, porque aparentemente meu espírito não se comunica com o de McEwan. Isso continua sendo verdade, infelizmente. A premissa é incrível - um bebê ainda não nascido, no ventre da mãe, narrando a intenção dela e do amante, seu tio, de matarem o pai e ficarem com a casa e herança. Mas me incomodaram as pequenas coisas - em algum momento a voz desse narrador passa a "esquecer" que não conseguiria descrever em detalhes algumas coisas, e se alterna nas descrições super detalhadas que teria "ouvido" e outras que não. Me irritou a ponto de querer entender como foi feita essa edição, porque deve ter sido uma escolha... enfim, houve dois momentos que em termos de narrativa foram incríveis, e acho que é por isso, mais a premissa, que as pessoas costumam gostar tanto.

Heart of a dog, Mikhail Bulghakov - he was born in Kiev, and the book is supposed to be a satire related to the Russian revolution. Of course, portraying a Professor who states he is against the Proletariat, is the only one living in seven rooms - and being protected to do so - and playing with rejuvenation, we are off to a good start. We add to that the fact that a dog is a great narrator - I actually liked him a lot up to the point when he turned almost human - seems familiar?
the Professor tries a transplant and ends up turning the old mutt Sharik into a new member of - what? human race? his family? his quarters? - and that's only one of the problems.
INteresting, fun in that not obvious way, creative and obviously, revealing as to how sad we are as people...

Fomos:

ver Logan - eu sei que estou soando garota enxaqueca, e que quem gosta das HQs deve ter amado, mas detestei ver o decrépito que antes era Wolverine.
ao Modi Gastronomia - AMO esse lugar. Gosto do custo benefício, gosto dos pratos, gosto do ambiente, AMO o ravioli de gema da entrada. O novo, do shopping Morumbi, ainda parece estar acertando o ponto - a lula veio semi grelhada, o ravioli de gema tinha um pedacinho de casca de ovo, o ravioli de abóbora estava sem sal. Mas tenho fé que é questão de tempo. Não é fácil ser brilhante nesse cardápio simples e gostoso que eles tem. E sempre temos as unidades de Higienópolis.
ao Attimo, no Restaurant week. Para um restaurante com uma estrela Michelin, achamos beeeeem mais ou menos. Claro, vc pode dizer que é por conta do menu Restaurant week, mas eu tenho aqui pra mim que o chef é o mesmo, os ingredientes, conceito, tudo igual. Já houve diversos restaurantes que entraram na nossa lista de favoritos na vida por conta dessa semana, que afinal tem essa intenção, né? de expandir a base de clientes? então ou os caras desprezaram essa ideia, e nesse caso o meu eu corporativo acha isso bem pobre de espírito, porque era muito melhor não participar, ou simplesmente são ruins, ou no desenho do conceito ou na execução. Que fique claro: nada estava horrível. o cardápio que eu escolhi (há duas opções para cada prato) era um carpaccio, bonzinho e fresco, uma polenta com ragu de linguiça (a polenta estava com o gosto do pó, nada de cremosa e feliz; a linguiça bem apimentada) e um mousse de chocolate razoável. Não valia o preço e muito menos atendia a expectativa de um restaurante incrível, no máximo um executivo razoável. Da carta de vinhos, metade não estava disponível, e claro, pagamos 16 reais por uma Stella Artois pequena.  Pode ser que esse não seja o padrão deles, mas não me deu vontade de voltar.

segunda-feira, 6 de março de 2017

6on6 - fevereiro 2017



#andanças. Fomos ver God, com o Miguel Falabella, comemorando a meia entrada do D.


Fomos também jantar na Mimi, pra estrear a mesa de jantar nova dela.



Prue é a prova que foto tem de ser no ângulo certo. Nem parece que ela é obesa.

Fomos também ver Histeria, montada num encontro com Dali, Freud e a filha de uma paciente de um caso, num roteiro muito bem produzido - presente de aniversário do escritório. Muito interessante :)

Pra não perder o hábito, arranjo do Atelier em flor pra comemorar meu aniversário.

Parece a Zara e o Panzerotti, mas é uma gatinha que encontrei no estacionamento da natação - aparentemente, havia sido abandonada pela família de um senhor que morreu, quando fecharam a casa, e estava vagando ali há uma semana, super dócil, veio quando chamei imediatamente. Trouxe pra casa, dei comida e colo e foi um final feliz bem rápido: achei um dono muito fofo e amoroso que já está tomando conta dela e prometeu nunca mais deixá-la pra trás. ufa!


Tudo isso aí na feira foi 5 reais Delícia, né?



segunda-feira, 6 de fevereiro de 2017

6on6 - janeiro 2017

Nossos 11 anos juntos foram comemorados... casando. De novo. Porque tudo que é bom deve ser repetido, né?

Panzerotti aprovou meus sapatos.

E a gente aprovou, sempre, o Jardim Botânico, alternativa maravilhosa para alguns parques que ficam lotadíssimos no fim de semana. Eita lugar lindo.

Resolvi fazer um risoto atrevido e não é que ficou lindo e bom? 


Perdemos a Luna, a cadelinha dos meus pais, esse mês. Fala se ela não era linda e boazinha?

Zara e Pan sendo lindos.





quarta-feira, 18 de janeiro de 2017

andanças - 1a. quinzena de janeiro 2017

Fomos ver La la land e Moana, com expectativas super diferentes: no primeiro, eu nem sabia que era um musical, porque só tinha ouvido falar que haviam ganhado tudo quanto tinha sido Globo de ouro e gosto dos atores principais. No segundo, só que era um filme da Pixar que tinha a ver com lendas neozelandesas.

Quis sair do cinema nos primeiros dez minutos, nos quais todo mundo começa a cantar e dançar numa ponte, a la Grease - nos tempos da brilhantina. De-tes-to musicais. ODIEI Mamma mia!. Me prometi que se não melhorasse na próxima meia hora ia embora. Mas aí melhorou. Gostei dos diálogos, adorei a trilha sonora, e realmente gosto bastante dos atores - me surpreendem positivamente sempre. É um daqueles filmes à moda antiga, nos quais a fotografia, a atuação e a contação de histórias valem mais que metralhadoras ou cenários estapafúrdias, e acalenta o coração. O fim foi pungente e valeu o filme. Ah, e a música... presta atenção nisso aqui:





Moana, em compensação, é beeeem comprido prumfilme infantil, viu? Fofo e tal, empoderamento feminino considerado, mas nem é tão fascinante. O que valeu mesmo foi o curta do começo, o Paul. Sensacional. Quase tão bom quanto o Piper, o curta anterior ao último infantil que eu vi no cinema.


Dali fomos ao Jamile, o tal restaurante do Henrique Fogaça, no Bexiga. Pensando que o sujeito vive de criticar os outros, resolvi que ia escolher o prato mais fácil de criticar do cardápio, o que pra mim significava algo que eu jamais pediria em outro lugar ou comumente: um magret de pato - só comi pato uma vez e odiei - com risoto de tangerina e rúcula. Era quase aposta contra, né? Pois caí do cavalo. Além do atendimento super gentil e ágil, o prato foi um dos melhores que eu comi na vida. Ponto perfeito, gosto incrível, surpreendente, interessante... realmente bom. Parabéns, gente toda que fez isso acontecer. (a foto não é minha, eu estava meio ocupada comendo). A moqueca do D. também estava incrível, diz ele.

                                                     

sexta-feira, 6 de janeiro de 2017

6on6 dezembro 2016!

Pois é... não querendo ser a louca dos gatos, mas já sendo, esse bichotinho foi encontrado por uma amiga preso na roda de um carro. Ela me perguntou se eu conhecia alguém que o queria, e tentamos com outra amiga, mas não deu certo. Aí ele voltou pra casa, e com esses olhos, já estávamos apaixonados... ia se chamar muitas coisas, mas acabou em Panzerotti. (É um lanchinho italiano de queijo e tomate que comemos em Milão, gostoso e feliz, e Pan combinava com ele <3)

Quem te conhece, sabe o que te dar, né? meu amigo nos deu dois cheesecakes de Natal (o da frente é doce de leite com amêndoas e o de trás, frutas vermelhas). 


E falando em Natal... essas são migas, um prato espanhol que como desde criança (meus pais vieram pra cá aos 18 anos da Espanha) e acho sempre difícil de explicar. Dá pra fazer com pão, mas as da minha mãe são de batata, e fica com essa carinha de farofa, mas é muito mais macia e úmida que farofa. E tem de ter todos esses acompanhamentos (montes de pimentão frito, alho, tomates, linguiças...)


Fomos ver a ópera Fosca, no TEatro Municipal de São Paulo. Esse lugar é lindo, e a ópera foi incrível. Eram poucas apresentações, e a história era sobre a personagem título, a irmã de um pirata completamente apaixonada por um prisioneiro e que faz loucuras por ele. O autor, Carlos Gomes, era um brasileiro (nascido em Campinas, SP) e a estreia foi no Scala de Milão em 1873. Experiência importante de viver!



Não dava pra não falar da viagem de fim de ano, que foi pro Paraná (Curitiba, Antonina/Morretes, Ilha do Mel). Esse lugar é o Bosque do Alemão, e é de desmaiar de fofura: tem uma trilha com a história do Joao e Maria, que termina NA CASA DA BRUXA! e tem mais: a casa da bruxa É UMA BIBLIOTECA! na qual há bruxinhas boazinhas que contam histórias, ajudam as mães a convencerem as crianças a largarem mamadeira e chupeta, e sobretudo, estimulam a leitura. Era fim de ano e nem tudo estava aberto, mas estava cheio de crianças LENDO. Amei <3


Pra terminar (já que houve um post só sobre Paraná), essa visão de Piratas do Caribe: na frente do restaurante na ilha do mel, beeem longe da praia, esse tronco de árvore cheio de formações de conchas. A natureza é mágica, né não?

Feliz ano novo!

terça-feira, 3 de janeiro de 2017

Paraná - resenha de andanças!

Um simples 6on6 não vai conter minha vontade de dividir algumas informações por aqui... então vou ser bem resumidinha, tá?

Coisas sobre o Paraná:

1. Amei os quero-queros (bom, e os mergulhões, saracuras, rolinhas, canários da terra, o fato de que há viveiros de pássaro em todo lugar, enfim. Mas os quero-queros além de tudo tem esse nome, difícil não amar). Olha esse fazendo pose na minha foto aí! perninha comprida <3


2. O Jardim botânico... É lindo, não só a estufa, como o entorno, no qual aliás dá pra fazer um lanchinho, tirar fotos, sentar na grama, tirar fotos lindas... 



3. Vou falar disso no 6on6, mas o Bosque do Alemão, que tem a trilha do João e Maria, foi meu parque favorito. E olha que tem parque em Curitiba! Fomos a vários, asism como  à Universidade Livre do Meio Ambiente, proposta linda e com uma pedreira incrível. Lindos, limpíssimos, estacionamento sempre gratuito e fácil, infraestrutura... invejei.


4. O museu Oscar Niemeyer é incrível. Mas não é só porque é dele, e tem essa cara linda, não. As exposições são inovadoras, interativas, super interessantes, e trazem não só a vida do Niemeyer como alguns outros artistas contemporâneos brasileiros. Fiquei apaixonada.




5. O passeio para Antonina/Morretes foi importante. Teve o trem, que é idílico e passa pela maior reserva de Mata Atlântica do país - essa é a base do passeio. Teve essa vista, portanto. Ao chegar, teve aquela vista que parece cartão postal do mirante de Antonina, e Morretes me lembrou Embu ou Guararema, aquelas cidades de paralelepípedo, praça com artesanato e rio sabe? Só teve um probleminha, estava perto de 40 graus de calor e ficando insuportável andar pra qualquer lugar, a busca por qualquer brisa virando sobrevivência.





6. Fomos à Ilha do Mel, focando na Praia das conchas e Farol. Estava um dia muito gostoso, e tem pouca coisa mais linda que o mar, né? Também reparei que o público é mais natureza, sabe? pouca gente sarada ou fazendo exercício ou tirando onda, era mais o povo "tô nem aí, quero ser feliz", que é de longe meu favorito; ou seja, brincando na água, cheio de roupas pra subir ao FArol, compartilhando a farofada. Devo dizer que eu não sou louca por praia, sou branca azulada e o sol nao me tem muito apreço; mas adoro um passeio de barco e amo sentar pra ver o mar. (um mar sem cheiro, que parecia um espelho de tão calminho).



7. Nao tirei foto, mas acho que não ia traduzir o que senti ao comer a POLENTA em Curitiba. Finalmente entendi o que as pessoas dizem quando falam que gostam de polenta. Tinha com queijo, com funghi, Alfredo, pura, mas era sempre molinha, feliz, cremosa, com muito gosto. Gente, poderia estar comendo aquilo até agora. Mesmo. SENSACIONAL. Em tempo: a melhor que eu comi foi no Batel Grill, que aparentemente é super turístico - (ficamos no Ibis Batel, barato e com a melhor localização do mundo pra ficar em Curitiba) - o serviço era impecável, o preço razoável e já falei da polenta?